2 de mai de 2008

Cordão de Ouro Contra Mestre Boca Rica



O GRUPO E SUA HISTÓRIA 

Século XX 1901: Alberto Bessa, em A Gíria Portuguesa, define a capoeira como “jogo de mãos, pés e cabeça, praticado por vadios de baixa esfera (gatunos)”.
1910: Revolta da Chibata, motim negro ocorrido em quatro navios, na Baía de Guanabara, Rio de Janeiro, contra o suplício e a tortura ainda existentes na Armada, vestígios da mentalidade oligárquica escravista.
Em Salvador, desde a década de 1910, ocorre a criação de "escolas de capoeira", evidentemente clandestinas. No Rio, na mesma época, os capoeiristas cariocas também possuíam espaços reservados ao treinamentos da luta, alguns deles freqüentados inclusive pela fina-flor da elite, segundo o testemunho de Inezil Penna Marinho: "Aqui no Rio, Sinhozinho mantém uma academia no Ipanema, destinada aos moços grã-finos que desejam ter algum motivo para se tornar valentes".
1912: Chega a “hora final” para as maltas do Recife, coincidindo com o nascimento do frevo; o passo, que é a movimentação do frevo, é filho da capoeira; como nos conta Edison Carneiro (Cadernos de Folclore, 1971), "a hora final chegou para as maltas do Recife mais ou menos em 1912, coincidindo com o nascimento do frevo, legado da capoeira (melhor diria 'o passo', que é a dança; o frevo é a música que o acompanha). As bandas rivais do Quarto (4o. Batalhão) e da Espanha (Guarda Nacional) desfilavam no carnaval pernambucano protegidas pela agilidade, pela valentia, pelos cacetes e pelas facas dos façanhudos capoeiras que aos saracoteios desafiavam os inimigos: 'Cresceu, caiu, partiu, morreu!' A polícia foi acabando paulatinamente com os moleques de banda de música e com seus líderes, Nicolau do Poço, João de Totó, Jovino dos Coelhos, até neutralizar o maior deles, Nascimento Grande".
Entre 1920 e 1927: Sob a administração do temido delegado de polícia Pedro de Azevedo Gordilho, lembrado pela memória popular da capoeira e do candomblé baianos como "Pedrito", intensificou-se a perseguição aos capoeiras na Bahia. Além do toque de berimbau chamado Cavalaria que, ao simular o tropel dos cavalos, denunciava a aproximação do conhecido Esquadrão de Cavalaria da polícia, a memória dessa perseguição está presente ainda hoje na seguinte cantiga, coletada por Waldeloir Rego:
"Toca o pandeiro,Sacuda o caxixiAnda depressaQui PedritoEvém aí"
As primeiras décadas do século XX marcam o ápice da perseguição policial movida contra os capoeiristas da Bahia. Quando Manoel dos Reis Machado (o mestre Bimba) começou a aprender capoeira, na Estrada das Boiadas, bairro da Liberdade, em Salvador, a capoeira ainda enfrentava acirrada perseguição, conforme contava o próprio Bimba: "Naquele tempo, capoeira era coisa para carroceiro, trapicheiro, estivador e malandros. Eu era estivador, mas fui um pouco de tudo. A polícia perseguia um capoeirista como se persegue um cão danado. Imagine só, que um dos castigos que davam a capoeiristas que fossem presos brigando era amarrar um dos punhos no rabo de um cavalo e outro em cavalo paralelo. Os dois cavalos eram soltos e postos a correr em disparada até o quartel. Comentavam até, por brincadeira, que era melhor brigar perto do quartel, pois houve muitos casos de morte. O indivíduo não agüentava ser arrastado em velocidade pelo chão e morria antes de chegar ao seu destino: o quartel de polícia".
Foi nesta época que ocorreu o grande salto na história da capoeira. Insatisfeito com o preconceito e a marginalização que a envolviam, mestre Bimba decidiu criar uma variação da capoeira, e a chamou de Luta Regional Baiana. Preocupado com a eficiência combativa da nossa arte-luta que, segundo ele, vinha sendo dissipada e perdida pela ação do turismo (os capoeiristas envolviam-se muito àquela época com apresentações para turistas, e a capoeira foi se transformando em show de acrobacias e mandingagens, afastando-se de seu sentido original), Mestre Bimba, preservando a movimentação original e os antigos rituais, introduziu modificações baseadas em golpes de jiu-jitsu, da luta greco-romana, do boxe e principalmente do batuque (luta de origem africana muito praticada na Bahia). Como conta o Ten. Esdras Magalhães dos Santos (Mestre Damião), discípulo de Bimba e precursor da capoeira paulista: “na criação da Luta Regional houve a colaboração de Cisnando Lima, cearense ‘arretado’, profundo conhecedor de jiu-jitsu, boxe, luta greco-romana (...). Cisnando transmitiu a Bimba os seus conhecimentos, aos quais o Mestre associou golpes do batuque para elaboração da nova modalidade esportiva. Decânio (Mestre Decânio, o mais idoso aluno vivo do Mestre Bimba) acentua, no entanto, que apesar de Cisnando apresentar os golpes e contragolpes daquelas lutas, a decisão final da conveniência ou não da inclusão dos mesmos na Luta Regional Baiana sempre foi do Mestre.” (Esdras Magalhães dos Santos – Mestre Damião –, Conversando sobre Capoeira..., ed. do autor).
As inovações de Mestre Bimba, ainda que tenham atingido os objetivos a que se propunham, isto é, conferir maior eficiência combativa à nossa arte-luta, e promover o seu reconhecimento social, geraram grande polêmica no seio da comunidade capoeirística; muitos encararam-nas injustamente como uma descaracterização das tradições da capoeira. O debate dura até hoje, exibindo posições variadas. Parece-nos que a tensão gerada entre as duas “modalidades” de capoeira é salutar: devemos, sim, preservar sempre as tradições, sem no entanto nos fecharmos às inovações que representem real evolução.
1932: Mestre Bimba funda, em Salvador, no Engenho Velho de Brotas, a primeira academia de capoeira registrada oficialmente, com o nome de "Centro de Cultura Física e Capoeira Regional da Bahia".
1937: Mestre Bimba (Manuel dos Reis Machado, 1900-1974), um dos "heróis culturais" da capoeira brasileira, consegue licença oficial que o autoriza a ensiná-la no seu "Centro de Cultura Física e Capoeira Regional", num período em que o Brasil caminhava para o pleno regime de força e que as leis penais consideravam os capoeiristas como delinqüentes perigosos. Qualificando o ensino de sua capoeira como ensino de educação física, a então Secretaria da Educação, Saúde e Assistência Pública expediu certificado de registro à academia de capoeira de Mestre Bimba, a primeira do gênero, a 9 de julho de 1937. A partir daí, a capoeira sairia das ruas e passaria a ser praticada no interior das “academias”, como ficariam conhecidas as escolas de capoeira.
1939: Mestre Bimba começou a ensinar Capoeira no quartel do Centro de Preparação de Oficiais da Reserva (CPOR) de Salvador, no Forte do Barbalho, onde trabalhou por três anos.
1941: Mestre Pastinha (Vicente Ferreira Pastinha) funda também sua academia, o "Centro Esportivo de Capoeira Angola", hoje localizada ao Largo do Pelourinho nº 19, e dirigida por Mestre Curió, seu discípulo. Naquele tempo, como ainda hoje, a capoeira era ensinada como nas outras academias de capoeira angola, isto é, por via oral, à excessão da academia de Mestre Bimba.
1948: No mês de dezembro, desembarcam em São Paulo os pioneiros da capoeira neste Estado, Esdras Magalhães dos Santos (Damião), Manoel Garrido Rodeiro (Garrido) e Fernando Rodrigues Perez (o respeitado Perez da capoeira baiana), formados e especializados pelo Mestre Bimba no Centro de Cultura Física e Luta Regional, do Maciel de Cima (em Salvador). Vieram preparar a vinda do "Rei da Capoeira" à terra paulista, para mostrar aqui a luta genuína brasileira. Logo depois, ainda em dezembro, chegou a São Paulo o próprio Mestre Bimba, acompanhado de seus alunos Brasilino, Clarindo, Adib, Jurandir e Edevaldo, que se juntaram aos três primeiros. Ralf Zumbano intermediou os entendimentos com seu tio, o argentino (naturalizado brasileiro) Kid Jofre, pai do "Galo de Ouro", Eder Jofre, este campeão mundial de boxe em duas categorias (dos galos e dos penas), para que os capoeiras começassem a treinar em sua academia de boxe. Os "meninos de Bimba" fizeram duas apresentações em fevereiro e duas em março de 1949, disputando noitadas de vale-tudo com os melhores lutadores paulistas da modalidade: Duro, Menezes, Godofredo, Evaldo, Cabrera, Flávio, Canuto, Arapuã e Nagashima (jiu-jitsu). Em seguida, participaram de temporada no Rio de Janeiro, enfrentando lutadores locais em combates "pra valer". As apresentações, tanto em São Paulo quanto no Rio de Janeiro, tiveram um sucesso estrondoso.
1950: No segundo semestre, o atual Mestre Damião (Esdras Magalhães dos Santos) retornou à capital paulista, para fazer o curso de sargentos especialistas da Aeronáutica, no Campo de Marte. Durante dois anos (1950/51) ele deu aulas de capoeira para cerca de cinqüenta alunos, na academia de Kid Jofre. Os primeiros foram Renato Bacelar (advogado), Martinho Luthero dos Santos (professor, irmão de Damião) e seus amigos Walter Grossman, Hamilton e Waldemar.
1953: Mestre Bimba e seus alunos exibem-se, no Palácio do Governo, em Salvador, a convite do então governador da Bahia Juracy Magalhães, na presença do Presidente da República, Getúlio Vargas, que teria dito, na ocasião: "A Capoeira é o único esporte verdadeiramente nacional". A partir daí, a capoeira passou a ser mais valorizada e a ter acesso a exibições em clubes, escolas, teatros, começando a ganhar apoio de políticos, intelectuais, artistas e do povo em geral. Porém, o capoeira, como indivíduo, continuou sendo vítima dos preconceitos da sociedade. O preconceito só começou a desaparecer a partir da década de 60, quando a capoeira começou a trilhar novos caminhos.
1955: Realização da primeira apresentação de Capoeira pela televisão; apresentaram-se os dois irmãos - Esdras Magalhães dos Santos (Mestre Damião) e seu discípulo Martinho Luthero dos Santos, na TV Tupi (Canal 4), dos Diários Associados, em entrevista conduzida pelo jornalista José Carlos de Morais, conhecido como "Tico-Tico".
1957: A partir de maio, na mesma academia de Kid Jofre, o jornalista Augusto Mário Ferreira, recém-formado por Mestre Bimba (que lhe deu o apelido de Guga), deu continuidade ao curso iniciado por Mestre Damião, até 1959, auxiliado pelo professor Martinho Luthero dos Santos. Prepararam um grupo de quase vinte praticantes, que não chegaram à formatura em razão apenas da impossibilidade material de trazer o Mestre Bimba mais uma vez a São Paulo. O curso dissolveu-se.
No final da década de 50, José de Freitas, capoeirista de Alagoinhas/BA, chega à capital paulista, e começa um curso numa academia de lutas do bairro do Brás. Pouco tempo depois, um alfaiate carioca, auto-intitulado Mestre Valdemar Paulista (não confundir com o homônimo de Salvador), ou Valdemar Angoleiro, auxiliado por seu irmão, Durvaltércio Alves dos Santos (conhecido depois como Mestre Bolinha), abriu a primeira academia de fato, num casarão decadente da Rua Bela Cintra (hoje demolido).
1966: Chegam a São Paulo Reinaldo Ramos Suassuna, baiano de Itabuna (celeiro de bambas) e Antônio Cardoso Andrade, também baiano, de Alagoinhas. Aqui, fizeram amizade com Dejamir Pinatti, paulista de Orlândia. Este último cedeu uma área descoberta nos fundos de sua residência, na Vila Mariana, para que Suassuna e Brasília começassem a ensinar capoeira. Nasceu ali a primeira academia em São Paulo registrada em cartório, a Academia de Capoeira Regional de Elite de São Paulo (ACRESP).
1967: O jornalista Augusto Mário Ferreira (Guga) patrocinou a abertura do Centro de Capoeira Ilha de Maré, na Rua Augusta, colocando ali como instrutor Paulo Gomes da Cruz, capoeirista baiano, que aprendera a jogar com Mestre Artur Emídio, no Rio de Janeiro.
No mesmo ano, o professor Martinho Luthero dos Santos vai a São José dos Campos para visitar seu irmão Esdras (Mestre Damião) e informar-lhe, "cheio de uma euforia sem precedentes", que a capoeira começava a proliferar em São Paulo mediante a instalação de academias. Destacou com grande entusiasmo o nome da Academia Cordão de Ouro, de Mestre Suassuna (Suassuna e Brasília já haviam fundado a Associação de Capoeira Cordão de Ouro, e mantinham academia num velho casarão da Av. Angélica). Anunciava-se ali uma parceria que alastraria a capoeira por todo o Estado de São Paulo.
1968: Os mestres Suassuna e Brasília transferem sua academia para a Rua das Palmeiras; inicia-se ali a fase conhecida como a do "Consulado Nordestino". Mestres e praticantes vindos principalmente da Bahia são ali recebidos, hospedados e auxiliados (às vezes até financeiramente) pelo Mestre Suassuna. Realizam-se as mais espetaculares rodas de capoeira de que se tem notícia em São Paulo.
1973: Foi preciso esperar até 1973 para que as nossas autoridades reconhecessem finalmente a capoeira como atividade desportiva e traço vigoroso do complexo cultural que contribuiu para a nossa formação. Desde então, com sua progressiva institucionalização, vem a capoeira se desenvolvendo de forma irrefreável, elevando o seu nível técnico, revelando sua enorme vocação social, como instrumento de educação para a cidadania, na inserção social de crianças carentes e marginalizadas, na reabilitação de deficientes físicos e mentais, em programas de atividades para a terceira idade, nos clubes, nas escolas de 1o., 2o. e 3o. graus, em programas de fisioterapia e até de psicoterapia, no treinamento e preparação de atletas de outras modalidades esportivas, etc...
Continua: Em ConstruçãoAguarde alguns dias.
1993: Por influência de intelectuais e capoeiristas, foi efetivada a criação da Associação Brasileira de Capoeira Angola (ABCA), que funciona hoje no casarão amarelo da Rua Gregório de Mattos, no Centro Histórico de Salvador/BA. Teve como primeiro presidente Mestre João Pequeno de Pastinha, e da primeira diretoria faziam parte também os mestres Moraes, Cobrinha Mansa, Jogo de Dentro e Barba Branca.
2000: A Capoeira começa a ser divulgada na Internet. Em maio, estréia o site http://www.capoeiradobrasil.com.br, com uma proposta abrangente, de dedicar-se não apenas a um grupo em particular, mas à Capoeira em geral.



Grupo de Capoeira Cordão de Ouro Contra Mestre Boca Rica

"Quando eu morrer, me enterre na Lapinha... ...Calça culote, paletó, almofadinha......Adeus Bahia, zum,zum, zum, Cordão de Ouro..."Baden Powell


Década de 60Os primeiros alunos de Mestre Suassuna em Itabuna – Bahia. Da esquerda para a direita em pé Chico Minuto, Garrincha e Clido. Agachados, Mestre Suassuna e Polícia.E conhecido como Luizinho - Mestre Luís Medicina, quem mais se destacou na época, hoje Mestre do Grupo Raça.
A ASSOCIAÇÃO DE CAPOEIRA CORDÃO DE OURO foi fundada pelo Mestre Suassuna na década de 60, mais exatamente em 1º de Setembro de 1967, juntamente com Mestre Brasília, numa época de grandes festivais da música popular brasileira. Ao ouvir o refrão da música acima em uma rádio, os dois, já com a idéia de abrir uma academia, decidem usar o nome CORDÃO DE OURO, por se tratar de Besouro Cordão de Ouro, um capoeirista anterior à divisão Angola e Regional. Mestre Suassuna ensinaria Capoeira Regional e Mestre Brasília Capoeira Angola dentro do mesmo espaço. Após um curto período, Mestre Brasília decidiu fundar seu próprio grupo, São Bento Grande.
Nasce Associação Cordão de Ouro -Av. Angélica em um prédio em demolição até chegarem na Rua das Palmeiras, 104
Nesta época difícil para a capoeira, quando a perseguição da ditadura e o preconceito impedia seu desenvolvimento no sul do país, Mestre Suassuna, baiano de Itabuna, recém chegado a São Paulo, continuou o trabalho e se apresentava insistentemente, mostrando as técnicas do jogo e luta, abrindo a primeira academia na capital paulista.Com intenso trabalho, não demorou muito a ter seus primeiros bambas, tais como Lobão, Esdras Filho, Tarzan, Belisco, Almir das Areias, Caio, e tantos outros.Abrigava capoeiristas do norte e nordeste que aqui chegavam, com o intuito de melhor difundir a arte da capoeira, fazendo de sua academia a referência para a formação de uma grande safra de novos mestres em solo paulista. A CAPOEIRA CORDÃO DE OURO foi berço de muitos nomes de destaque. Além dos já citados, vieram os Mestres Flávio Tucano, Biriba, Dal, Marcelo Caveirinha, Urubú Malandro, Espirro Mirim, Xavier, Lúcifer, Torinho, Pial, Cangurú, Sarará, Zé Antônio, Ponciano, Bolinha, Geraldinho, sem se esquecer também de Mestre Cícero, Mestre Zé Carlos e Mestre Penteado, aque apesar de serem alunos netos possuem um valor inestimável para Mestre Suassuna e o Grupo Cordão de Ouro, entre tantos que completariam uma lista imensa. Sempre irrequieto Mestre Suassuna nunca se acomodou, mantendo seu trabalho continuamente reciclado, criando após anos, o Jogo do Miudinho. Uma nova equipe de capoeiristas enriqueceria o seu acervo de contra mestre: Boca Rica, Habibs, Mintirinha, Kibe, Denis, Saroba, Coruja, Chicote, Chiclete, Kino, Pintado, Lú Pimenta, Barata, Muriel, Esquilo, Romualdo e outros mais, regentes de um jogo novo e rico em movimentos plásticos, mais conhecidos como a geração miudinho. Hoje, com inúmeras filiais no Brasil e no exterior, o GRUPO CORDÃO DE OURO tem papel de destaque entre todos os grupos de capoeira, não só pelo que representa o Mestre Suassuna para o esporte e para a cultura, mas também pelo esforço empreendido por ele e seus adeptos. A fim de manter a capoeira num nível altamente técnico, interagindo velocidade, agilidade, elasticidade, criatividade, música e malícia, sem esquecer suas raízes.Esse esforço tem sido compensado pela dedicação dos capoeiristas que seguem a filosofia do grupo.

Nenhum comentário: